Páginas

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Estranhas Histórias


Que estranhas histórias contam o tempo...
Que estranhas memórias nos trazem o vento...
Que estranhas verdades nos mostra a vida...
Que loucos sentimentos nascem no coração!

Caminhos percorridos sem direção...
Etapas cumpridas no livro da emoção...
Vitórias e derrotas apresentadas sem perdão...
Amores intensos vividos sem razão!

Talvez seja o medo que nos paraliza...
Talvez seja a ilusão que nos amedronta...
Talvez seja a busca que nos torna insanos...
Talvez seja o desejo que nos consome!

Certezas - somente aquelas que nos impomos...
Dúvidas - todas as que não conhecemos...
Vontades - as que marcam o coração...
Vitórias -  aquelas que nos tornam livres!

Que estranhas histórias são estas contadas sobre o medo que nos paraliza diante das certezas que nos impomos nos levando a caminhos percorridos sem direção?
Que estranhas memórias são estas que percorrem  o livro da lembrança e da ilusão e  nos amedronta com dúvidas que não desvendamos?
Que estranhas verdades são estas que nos mostra a vida com suas vitórias e derrotas, apresentadas sem perdão?
Que loucos sentimentos são estes que nascem de amores vividos sem a razão e nos consomen no desejo de vitórias que  impedem a liberdade? Liberdade de amar - viver - crescer - aprender!

  A liberdade de amar não é somente querer amar, mas principalmente saber amar...

Valéria Braz

8 comentários:

Principe Encantado disse...

"Que loucos sentimentos são estes que nascem de amores vividos sem a razão"
Tenho a impressão de que se for descoberto, perderemos a razão de viver.
Abraços forte

vidarealdasam disse...

Olá querida Valéria !!!

Que texto intenso, muito emocionante e verdadeiro !
Falou direto e reto com meu coração, algumas das frases são bem propícias para meu momento atual...
Você sabe usar a escrita com muita beleza e verdade !
Adorei !!

Um enorme beijo !!! :)

Jackie Freitas disse...

Olá querida poetisa!
Simplesmente maravilhoso esse seu poema! A reflexão e mensagem são lindas! Adorei!
As histórias podem ser estranhas ou loucas, mas que cada um possa viver a sua história sem medo de sua loucura, sem amarras ou comedimento. O livro da vida está aberto e cheio de páginas para serem escritas... então, que cada um escreva a sua melhor história e possa imortalizá-la no coração.
Grande beijo e parabéns!
Jackie

Marivan disse...

Gostei da postagem,
merece indicação,
abçs e feliz natal

Mary Miranda disse...

Olá, Valéria!

Eis um poema escrito com o calor da emoção!
Isso mesmo, razão pra quê?
Viver já é tão difícil, com a solidão feroz do dia-a-dia que nos devora, tão triste é ter tanta "razão" e não sentir as coisas que latejam, que exigem de nós mais vigor, força, vontade, fome de ser, de estar!
Permite uma citação musical de um cantor que adoro?
"O Último romântico", Lulu Santos:
'Me dá um beijo, então/
Aperta a minha mão/
Tolice é viver a vida assim/
Sem aventura/
Deixa ser pelo coração/
Se é loucura, então/
Melhor não ter razão'
Querida amiga, não ter razão para as coisas não significa loucura, e sim, vivenciar com o coração o que nos escapam aos olhos...
Por isso, as minhas sinceras parabenizações por você ter escrito um poema tão profundo!

Beijos,
Mary :)

Neusa Fiesta disse...

Querida Valéria, cada poema que você escreve, é uma superação de sua capacidade de fazer Poesia; acho um melhor do que o outro! Meus parabéns e que Deus a ilumine sempre, de modo a você continuar nos agraciando com as maravilhas que escreve!
Um grande beijo!

Neusa Fiesta disse...

Querida Valéria, cada poema que você escreve, é uma superação de sua capacidade de fazer Poesia; acho um melhor do que o outro! Meus parabéns e que Deus a ilumine sempre, de modo a você continuar nos agraciando com as maravilhas que escreve!
Um grande beijo!

Sissym disse...

Valeria, bom te ler...

To be or not to be....

Algumas pessoas são tão inseguras que vivem mais na incerteza do que a tentativa de melhorar e acreditar.

Estranhas historias... muitos de nós já a vivemos e um dia, ao olharmos para trás, nos perguntamos: como suportei?!

Beijos