Páginas

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Poema do Silêncio

Onde estão os sons que reverberam na essência de uma dúvida?
Onde há brilho diante da escuridão da injustiça?
Onde se esconde o sol na verdade de uma destruição?

Não quero palavras vãs ecoando desculpas mórbidas...
Não quero a luz de mentiras sórdidas que encobrem a verdade...
Não quero aquecer o dia com a deflagração de um olhar perdido na escuridão....



Para onde aponta o futuro na grandeza da selvageria urbana?
Para onde desponta o riso da criança esquecida nas redes virtuais?
Para onde apontam as bússolas de nossa história?

Talvez estejamos desenvolvendo um mundo desvanecido, esquecido...
Talvez estejamos recriando a inocência infantil...
Talvez estejamos apontando a lugar algum, mirando em algum lugar....



A verdade é que apenas estamos caminhando lentamente, desgovernadamente!
Nossos trilhos são os sons da natureza, nossa estrada as pontes de água cristalina!
O sol, o alimento, o sustento é a mensagem interior do silêncio que nos consola, acomoda!

Valéria Braz

14 comentários:

Principe Encantado disse...

"Nossos trilhos são os sons da natureza, nossa estrada as pontes de água cristalina!"
Muito lindo, mereceu a republicação.
Abraços forte

Samanta disse...

Olá querida Valéria !!!

Gostei muito do seu poema !
Cheio de força, intensidade, muito profundo !
O final é incrível !

Um enorme beijo no seu coração !

Jackie Freitas disse...

Olá grande e bela poetisa!
Belas e sábias palavras!
Para onde caminhamos? O que nos mostra esse caminho silencioso, onde muros são levantados e as pontes destruídas?
Acho que só seguindo adiante, vencendo um obstáculo por vez para termos algumas respostas.
Parabéns, querida! Mandou muito bem!
Grande beijo,
Jackie

Jucifer disse...

olá coisinha mais coisada
nossa fiquei aki pensando e me questionando
simplesmente lindo!!!

beijo enorme coisinha Valeria

Ananda V. Sgrancio disse...

Há quanto tempo eu não lia um poema tão belo.

Aonde vamos parar? Só Deus sabe.

nara chaves disse...

Bonito seu texto, senti um desabafo de uma alma inquieta, mas sonhadora. continue escrevendo, está no caminho certo, um abraço.

carlos roberto disse...

O poema é lindo, Valéria!

Parabéns!

Um abração...

Sou Mulher ... disse...

Muito bonito, Valéria!
Parabéns, minha amiga poetisa!Gosto muito de seus poemas.
Beijos,Vera.

Arte e Café disse...

Querida Valéria
Adorei seu poema, composto com palavras intensas e verdadeiras.
Versos que nos fazem pensar em construir um mundo mais digno e justo
Grande beijo
Alba

MOISÉS POETA disse...

VALERIA !

GOSTEI MUITO DO SEU BLOG , É DE MUITA POESIA QUE ESSE MUNDO MALUCO ESTA PRECISANDO...!

ESTAREI SEMPRE POR AQUI !

UM GRANDE BEIJO !

Dú Pirollo disse...

Minha querida amiga Valéria, boa noite!!!
Que bom que postou novamente, não conhecia, é muito verdadeiro e atual, adorei minha amiga!!!
Até quando vamos sofrer com a injustiça e o descaso... espero que isso tenha um final feliz...
Parabéns pelo excelente poemas, adorei minha amiga!!!
Beijos no coração e muita paz em sua vida!!!

Mary Miranda disse...

Olá, Valéria!

Lindo poema, simplesmente lindo!
Tocante, forte, social...
'Para onde apontam as bússolas de nossa história?'
É a pergunta que mais faço, minha amiga...
Acho que deveria incluir esse poema na antologia do Bruno...
Adorei!!!!

Beijos,
Mary:)

manoel disse...

Quantas vezes me vejo sem um caminho. Quantas vezes me sinto perdido. Quantas vezes olho e não vejo nenhum brilho. No entando todas a vezes me lembro que vim para viver.
Gostei muito da sua poesia em reflexão.

Minhas Poesias Irradiantes disse...

Parabéns pelo belíssimo Poema em post que destaco aqui seu grande Finali: "O sol, o alimento, o sustento é a mensagem interior do silêncio que nos consola, acomoda!"